domingo, 30 de setembro de 2018

Estendal

A corda do estendal bamba, formando uma barriga com o lençol esticado, abanando ao vento do sexto andar, balançando, ameaçando voltear, uma, duas, três vezes, deixando-o enrolado sobre si mesmo, engordando a corda por desigual, com uma ou duas pontas ainda pendentes, olhando cabisbaixas, rendidas, como um avental descaído, soprado pelo vento, moldando-me a cara, erguido, com a costura do bolso como um remendo quadrado sobre o nariz, mais intrometido, projetando-se para trás como duas orelhas, pontiagudas e metediças, rabeando como uma bandeira açoitada, estriando-se da rugosidade da rajada, estalando nas pontas, empolgando-me internamente, como toda uma nação em risco, ainda que entre estas paredes da cozinha impere uma ordem sem sentido, onde arrumo tudo meticulosamente, como se não houvesse lugar onde deixar cair um vestido, e por isso me irrito sempre que vou à janela, e vejo a corda desafiante, que, se num momento de arrelia puxo para fora do sentido, logo salta da roldana do estendal, entalando-se junto ao eixo e emperrando teimosa, ainda que sem grande alarido, mas me obriga a abrir o outro extremo da janela, e a humilhar-me à necessidade de a trazer de volta, com cuidado, ao sulco da roldana, quase sempre obrigando ao acatamento das duas mãos, ou não fosse o peso dos vestidos, e não tenho a coragem sequer de pensar que um dia arranjo isto, talvez fosse apenas uma questão de um aperto, ou de um encurtar da corda, talvez se morasse no primeiro andar, mas aqui do sexto encho-me de algum prurido, pois imagino um descuido, e lá vai o parafuso por aí abaixo, pendulando ao longo da parede, rindo-se para mim o atrevido, se com sorte agarrar a outra ponta, senão tombará de encontro ao chão, com um ténue barulho que certamente só a mim chegará estrondoso, com a cabeça debruçada do sexto andar e os olhos em bico, confusa com qual o efeito dos estragos, se os houve ou não, como quem procura uma agulha num palheiro, e saio de casa numa correria, para retirar do passeio o testemunho do meu desmazelo, se tiver a ventura de ninguém ir a passar, regresso escadas acima sobressaltada, que até carregar no botão do elevador me causa aflição, esperando-me em casa a decisão de deixar a roldana descabelada, ou tentar mais uma vez, mas abandonar-me-á a arte e o empenho, pelo que ficará de novo oscilante. Por isso digo ao Gonçalo, podes, por favor, ver-me as cordas do estendal, e vai ele buscar a caixa da ferramenta, daquelas que como marmitas, de vários tabuleiros e um rico sortido de chaves e parafusos, das mais infinitésimas variações, e que requerem ser escolhidos a dedo, senão mesmo colocados em frente ao olho, e rodados com entendimento na procura de um encaixe mental. E agora, quando penduro algo no estendal, seja vestido ou lençol, fica tão direito que nem se sente o peso sobre o fio, e quando puxo a corda de um lado para o outro, roda doce e sem ruído, e até mesmo dentro da cozinha, onde por vezes deixo tombar o vestido, reina agora alguma desordem que para mim até faz algum sentido.

domingo, 23 de setembro de 2018

Caído do céu

Um querubim prostrado sobre a cama, com uma cabeleira negra desgrenhada das travessuras, densa, como um emaranhado de silvas formando uma copa frondosa em volta do rosto adormecido, de olhos fechados e lábios entreabertos de inocência, separado do tronco por um pescoço fino, mas quase ausente pela postura ligeiramente dobrada da cabeça para a frente, com os ombros ainda sombreados pela negra áurea, castanhos e de pele lisa, tomados do leve brilho da seda, e os dois omoplatas, quais asas, um pouco empurrados para trás pelo revirar do corpo sobre os braços à frente, agarrando as duas mãos entreabertas, tornadas para cima, fugidas ao face a face com o lençol, expondo as palmas finas em oposição aos cotovelos, apontados para o pénis descansado sobre o outro silvado, envolvendo os testículos, agigantando-os, aninhados entre as pernas bochechudas, troncos de embondeiro fletidos pelos joelhos, aí adelgaçados, voltando carnudos na barriga das pernas antes de chegar aos pés desmesuradamente alongados, de dedos esguios e aparentemente inúteis, não fosse pelo marfim das unhas, baças e lustrosas, especialmente no dedo grande, o do pé esquerdo, aquele que tomba sobre a cama por um desequilíbrio ao nível dos joelhos, até onde ambas as pernas mantiveram a sincronia, lugar em que se despediram uma da outra, a da esquerda afoitada para a frente, a da direita conservando-se atrás, firme sobre o lençol, as duas, como irmãs cúmplices, raízes agarradas ao fundo da cama, dando sustentabilidade ao tronco, como se de facto ele começasse por altura dos joelhos, e o risco que sai de entre as pernas juntas até às nádegas redondas tivesse sido traçado por um pintor renascentista, para dar a sensação de profundidade e volume, numa revigorada explosão de vida, na completa ausência de pelos, um magnífico contraste, realçado pelo percurso de volta ao oásis, atravessando as planuras boleadas da anca, onde foram colocadas carnes para atenuar a bruteza dos ossos, formando ténues dunas, tornando a viagem agradável, e onde repouso de novo os olhos, antes de partir para cima, escalando a parede de abdómen, marmóreo acastanhado, em direção ao umbigo, nada mais do que um ponto apenas, pela lisura do ventre e única referência no horizonte, onde o corpo decidiu colocar o seu centro, vagamente emproado e onde descanso de novo, recostada na pequena encosta que prepara a cratera, a que faço uma breve visita antes de rumar com os olhos de novo a norte, passando debaixo do arco formado pelo cruzar dos braços, por alturas dos pulsos, e sob os quais passa um risco ladeado por duas suaves encostas, cada uma delas encimadas pelos respetivos mamilos, disputando a senhoria do ribeiro, que nasce da cascata formada pelo queixo, debitando uma água pura, que nasce do rosto tranquilo, onde as narinas dilatam pausadamente, para alimentar de ar um Gonçalo Aires, quebrantado, deitado no meu leito, como um anjo caído do céu, como um copo de água límpida, que levo aos lábios para apagar os sabores da experiência, sentada na cadeira em frente à cama.

domingo, 16 de setembro de 2018

Mesmo que já não aches

Nunca deixes de me dizer que eu sou bonita, mesmo que já não aches. Ele tinha uma cara branca de espanto. És tão bonita, és tão bonita, repetia lentamente com a sua cabeça sobrevoando a minha, pairando de um lado para o outro. Seria mesmo para mim? Temia que por detrás daquela expressão absorta estivesse outra coisa, que me transcendesse, que alguns homens procuram êxtases pouco terrenos, usando as mulheres como impulso. Mas, impossível não acreditar, tomar como meu aquele arrebatamento, e ficar imobilizada, agarrada ao colchão, a levitar debaixo do rosto final. Por isso não me contive, e disse o que não devia, efetuando uma acrobacia criadora, procurando transformar um ponto num espaço a quatro dimensões, e assim trazê-lo de volta à terra, ao dia a dia, ao levantar e ao deitar, e até ao enfado e ao aborrecimento, mesmo que já não aches. Ficou aquilo a fermentar em mim, que a vaidade, uma vez que se instale, é intemporal e exige a repetição de um espelho. E, desse exercício diário, foi brotando aos poucos um despudor, resultado de nos vermos constantemente reforçados, ignorando o que nos rodeia. E de tal forma estava receosa do seu suposto alheamento que, sem saber donde, comecei a inventar jogos, atrevimentos, pequenas travessuras. Primeiro apenas com a linguagem, histórias que acrescentavam ao quarto onde nos encontrávamos um mundo repleto de seres, gigantes, brutos, meigos e egoístas. Pessoas que conhecíamos e que eu ali enroupava de um peso e uma velocidade, com um mínimo de verossimilhança, é verdade, mas todos produto da minha imaginação, e posicionava-os em órbitas à nossa volta. Mas, era tudo muito instantâneo, tinham a duração de uma palavra, que, quando acabada de pronunciar, decaía, e por isso, por horror ao vazio, e a rever o espanto na sua cara, puxava por uma outra palavra, de maior massa, mais completa, mais aterradora, no afã de não o deixar regressar ao singular. Ia assim buscar personagens míticas, cuja síntese lia em velhas enciclopédias na biblioteca da faculdade, em colunas sobre um papel muito fino, amarelo, ilustradas por imagens retiradas da antiguidade clássica, de estátuas estáticas e robustas. Hércules, marte, vénus, uma constelação de deuses que colocava a girar à nossa volta, e que eram turbulentos e vingativos, como tinham que ser, para não darem descanso nem recolhimento. Construí, pois, no quarto, um universo, com as suas categorias e leis próprias, que governavam os movimentos e o passar do tempo, esperando ouvir dele as palavras mágicas, mas ditas agora num mundo às minhas ordens. E se é verdade que ele as repetia, e não havia motivo para duvidar da sua sinceridade, emerge, no entanto, pelo abuso do espelho uma desconfiança que nos deixa sem eira nem beira. Enfadava-me eu agora daquela armadilha que tinha montado. Achava-o previsível e o seu fervor parecia-me irrisório, rendido, menor à imagem dos deuses que havia criado. Dei por isso, por mim, fora daquele quarto, abandonando-o, levando comigo as histórias que li nas enciclopédias, e deixando-o a ele, certa, que me recordaria, como sou bonita.

domingo, 9 de setembro de 2018

Cais do Sodré

Porque é que enchemos de escuro o que nos inquieta? A realidade entra-nos pelos olhos adentro, mas, se nos desassossega, se não conseguimos desviar o olhar, vamos reduzindo a intensidade luminosa, até que o negro se intromete entre as partes esbatendo-lhes o recorte, de forma que temos agora que tomar toda a atenção para perceber o que se passa. Por vezes, passa-se uma vida para perceber isto. Por vezes, nem isso chega, e quando fechamos finalmente os olhos vamos inquietos com a escuridão que nos aguarda. Eu tive sorte, pois, quando agora escrevo, neste ano de 2040, aos 80 anos de idade, sei claramente que o que verdadeiramente tememos são as linhas carregadas que traçam as fronteiras entre os corpos. Tinha então dito ao Rui, gostava de ver um bar de putas. O que hesitei na altura para fazer este pedido, mas a curiosidade prevaleceu, agora que me achava senhora do meu corpo. Ele olhou para mim surpreendido, mas rapidamente assumiu o meu pedido como uma tarefa de homem. Já eu, nos dias que se seguiram, deixei-me prender pelo temor do local. Primeiro por mim própria. Como poderia deixar claro que estaria ali apenas para ver e, ao mesmo tempo, a minha presença não fosse ofensiva, pela sua discrepância, nem pudesse suscitar a revolta que se tem com todos os parasitas que procuram usufruir sem pagar. Talvez a forma como fosse vestida pudesse fazer a diferença. Sabia o que envergavam as mulheres que andavam pela avenida da liberdade por alturas da praça da alegria. Já as tinha observado com atenção, as saias curtas que com os sapatos altos faziam tremelicar as pernas esguias da heroína, as cores fortes e a cara esborratada numa espécie de fome exuberante. E, na altura, era muito claro que deveria existir uma linha que marcasse a diferença. Já inclusive me tinha surpreendido a perguntar ao Rui, achas que esta saia me faz muito ordinária. Logo de seguida me envergonhei, pois ele olhou-me longamente, com uma distância que estranhei entre nós. Mas, por mais que fosse o cuidado com a aparência, e que eventualmente encontrasse esse equilíbrio entre a compostura e a descompostura, temia que o escuro do local tornasse as diferenças inúteis, difusas, esborratadas, como as caras das putas. Depois, também temia pelo Rui. Estaria com ele, mas não sabia como seria nos empurrões que haveria no espaço exíguo, onde o seu corpo não seria suficiente para me proteger, como seria num local fora da lei onde o respeito está cheio de contradições e nada do que parece parece. E contudo, quando entrámos naquele bar no cais do Sodré, a sala estava cheia de uma luz branca, florescente, com apenas duas mulheres, ao balcão, escanzeladas, que não tiravam os olhos de nós, nem os três homens feios em mesas baixas de pé, sentados, encostados à parede, e a beber cerveja pela garrafa. Entre nós e eles, uma distância, uma pista circular vazia. Afligi-me se a minha saia estaria demasiado curta, se, naquela distância, as minhas pernas pudessem revelar alguma intenção que eu própria não percebesse e não encontrei outra solução senão semicerrar os olhos, como quando estou com o Rui.