sábado, 13 de maio de 2017

Hollow Hills – Ernesto

Um Deus triste com o sofrimento do mundo. Foi quando finalmente refreou o passo que Afonso se questionou se Ernesto estaria mesmo morto. Invadiu-o um sentimento de culpa. Se calhar estava vivo. Precipitou-se quando o viu revirar os olhos com a agulha ainda na veia. Eh pá, Ernesto, deixa-te de merdas. Disse-lhe duas vezes, abanando-o com cautela. Mas ainda assim, a seringa a balançar, decaindo do antebraço para o chão. O gajo já tinha ido, nada mais havia a fazer ali, melhor pôr-se na alheta. Era a primeira vez que estava no apartamento. Parece que era de um primo do Ernesto, que estava fora. Surripiou a chave à mãe, fez uma cópia, e agora era um paraíso. Ideal para dar um chuto na boa, dizia. Sem stresses. Não tinha culpa de nada, certificou-se. Não conhecia o local. Sabe-se lá quem podia por lá aparecer. O Ernesto dava-se com gajos bué de esquisitos. Pessoal da pesada. Não andavam só a curtir, tinham responsabilidades, e na merda deste negócio não se brinca, meu. Na ausência do direito, um bom nome é tudo. Perdes o nome e tás fodido. Fazem de ti gato-sapato. Pagas uma meia, dão-te uma quarta. E depois riem. Puta de vida. Sempre a lutar entre o cavalo e a dignidade. Cada um a puxar para seu lado. A vida é um paradoxo. O cavalo exige dignidade para ser montado e depois passa o tempo a tentar atirar-te ao chão. Dizem que há gajos que se aguentam. Andam anos nisto. Tratam o bicho por tu. Em todo o lado há tipos regrados. Calculistas. Cavalgam e não se entusiasmam. Parece que o Ernesto não é um deles. Se é que já foi. Senão, sabe-se lá. A filha da puta desta vida dá voltas. Partes numa viagem e nunca sabes como regressas. Até podes regressar cínico, dizem. É capaz de ser verdade, mas o pior é ficar-se com a cabeça atrofiada. Nos últimos tempos o Ernesto andava mais para o contemplativo. Devia ser de ter deixado de meter na rua. Estas merdas contam. Condições são condições. Não venham com tretas. Com um pouco de conforto até a miséria dá frutos. Sim, contemplativo. Podes crer. Passava horas a olhar para as estrelas. Somos só um ponto no universo, dizia, e metia para dentro. Não sei por onde andaria, pois quando regressava voltava a olhar para as estrelas. Será que tirou por lá alguma selfie? Somos só um ponto do universo. Repetia. Coitado do Ernesto. Foi nesta fase meditativa que começou a usar o chapéu de abas. Ficava-lhe bem. O corcovado do alto fazia pendant com as maçãs do rosto chupado. Não, o gajo tinha pinta. Tinha vaidade no chapéu. Somos assim. Afeiçoamo-nos a estas pequenas merdas. É isso que nos traz agarrados à vida. Um mundo oco este. Se não for isso. Se não forem as estrelas. Estamos cá para quê? Comer, beber e cagar. Não, tem que haver mais alguma coisa. O chapéu do Ernesto. Devia-lho ter posto antes de sair. Ele havia de ter gostado de ser encontrado assim. Com a seringa e tudo. Mas foi tudo a correr. Não se faz nada com calma nesta vida. Não há tempo para nada. Ao menos ele teve uma vida cheia. Antes isto que morrer velho e passar uma vida a vegetar. O gajo era tramado, a contemplar, apenas um ponto no universo.

domingo, 7 de maio de 2017

A Strange Day – Romeu

Quando o rosto de Romeu entrou por entre os seios de Catarina imaginei que iria ser tão grande e intensa como uma obra prima da literatura russa. Grandiosa por fora e por dentro. Na imensidão das descrições dos campos de batalha, na acutilância dos detalhes da complexidade psicológica dos personagens. Mas não é que, nesse preciso momento, me sobreveio um tremor que me acanhou a mão e me impediu de expor, como pretendia, o que tinha para narrar. Assustada, agarrei-me à esperança que seria uma convulsão à Dostoiévski. Daquelas que por vezes o atravessavam. Um ataque de génio. Fui, na realidade, tomada por um rufar repetitivo que se instalou em mim como um vírus. Peço-vos desculpa, porque cada palavra que se atreve é imediatamente amassada, escravizada por esta batida. A epopeia que tinha em mente ficou reduzida a muito pouco, um dia apenas. Um dia bem estranho. E mesmo assim, só o favor da literatura concede transformar num dia os escassos momentos que a cabeça embriagada de Romeu passou ali. Poderia exprimir tudo numa única palavra, contradição. Romeu de joelhos. Com os olhos abertos de um cego. Brancos e revirados para dentro. Envolto num mar com uma praia de pedras. Enjoado do doce navegar. Precipitado em queda livre pelas contrações do estômago. Falhando-lhe as pernas. Sem a gravidade do planeta terra. Encho-me de vergonha com a trama psicológica que me foi destinada. Que paga por tanto desejar. É assim a juventude feita a correr. Mais um pouco. Por favor, só mais um pouco, depois faço de mim uma mulher. Só mais esta canção. Uma contradição. Um atropelado numa passadeira que se atira para fora da zebra. O corpo ao ralenti, à deriva entre o céu e o chão. Batalhando. Os braços trespassando inimigos invisíveis. Cada golpe um homem ao chão. Uma oportunidade para o seguinte. Estranhos inimigos, que desejam a morte do companheiro para poderem ver chegada a sua vez. Irónicos inimigos, que num sorriso dizem, esbraceja Romeu, esbraceja. Um dia bem estranho. E o chão que nunca mais chega. Negando-lhe o descanso em paz. E os tambores que não se calam. Rufam, rufam. Parem, estou farto desta guerra, diz Romeu, enquanto involuntariamente carrega no replay. E, quando se sente finalmente a chegar ao chão, uma mudança na batida, mais longa, como uma ordem de recarregar, eleva-o em nova exaltação, esbracejando agora mais que nunca. Como um batalhão cego de cansaço, vendo no campo inimigo o lar doce lar. Doce miragem. Como correm. Como abrem e boca e gritam. Mãe, pai, voltei da guerra, são e salvo. Os braços como asas. Fora da passadeira. Abraçando a Catarina. E pobre de mim. Preparada que estava para as paisagens. A bateria sobre a colina. A névoa lá em baixo. Envolvendo as árvores do bosque. O bosque que regurgita homens. Cegos do que os espera. Envoltos na humidade onde lhes vai brotar o sangue. A metralha cuspida lá de cima. Caem atordoados. Épico, sonhei. Mas coube-me em destino este chão de cozinha.