sábado, 24 de novembro de 2018

Companion4Elderly7.5

Big data is taming you. Já lá vão mais de 30 anos desde que escrevi isso na parede, do outro lado da rua, em frente ao apartamento. Agora, aos 100 anos, olho com benevolência para a inscrição. Fui eu que pedi para não a apagarem. Uma vez por ano vou restaurá-la. A cidade está cheia de escritos deste género. Artificial intelligence is not intelligent ou The robot is not helping you. Eu acho que a minha pode ter sido uma das mais bem conseguidas. Mas cada um gosta da sua, pelo que são todas cuidadosamente preservadas por aqueles que as escreveram. Nisto se prova que esta revolução não foi como as outras, que mais tarde ou mais cedo caem no esquecimento. Esta foi a revolução. Foram muito loucos aqueles 60 anos. Dizemos, os da nossa geração, com alguma graça, que os nossos 60 anos foram os antigos anos 60, aqueles em que nascemos. Recordo como tudo começou. Revoltámo-nos quando percebemos que sabiam tudo sobre nós. O que fazíamos, quem éramos. É verdade que no início, quando surgiram os novos sistemas de apoio e suporte ao indivíduo, todos nós aderimos entusiasticamente. Corríamos a descarregar a última versão do sistema de recomendação, a adquirir o último robô de apoio pessoal. Mas, ao fim de algum tempo, começou a haver algum desconforto naquele conforto. Era um desagrado por tudo estar certo. De ser tudo tão previsível. Tornámo-nos como as crianças revoltadas filhas de pais perfeitos. Sabíamos que era aquela a melhor hora da refeição. Que não podíamos comer melhor comida. A hora para adormecer. A música para acordar. E irritávamo-nos quando atingíamos o êxtase. Foi então que alguns de nós começámos a fazer o contrário do que nos era recomendado. Por essa altura aumentaram os acidentes de trânsito, pois insistíamos em desligar o controlo automático dos carros autónomos e conduzíamo-los nós. Mas o trânsito já não estava concebido para humanos. Eu tive um acidente grave. Fui hospitalizada e aí, como já estava a fazer quase 70 anos, mais por desculpa do que por verdadeira necessidade, para servir de cobaia, instalaram-me o modelo Elderly do Companion, mais precisamente, o Companion4Elderly0.3Beta. Sim, a versão beta foi testada por mim. Foi nessa época que a psicologia perdeu a vertente de ciência social e passou a ser um ramo da biologia comportamental. Parece ter sido identificado um aspeto na biologia humana, uma tendência inata para a insatisfação que tinha sido ignorada. Chamaram-nos por isso a geração mimada. Foi a linha Companion concebida para colmatar essa anomalia. Dizem que está fortemente influenciada pela filosofia budista. Que os Companions desencadeiam um mecanismo de meditação induzida, diretamente implantado no cérebro. Detectam as ondas de desagrado que tomam conta do ser humano e desencadeiam imediatamente uma reação de reflexão. É por isso que me sento em silêncio à janela a olhar para a minha inscrição, a deixar passar o passar dos anos, e revejo-me com a lata de spray na mão, de cócoras, não fazendo verdadeira tensão de me esconder, a escrever Your companion is taming you.

sábado, 17 de novembro de 2018

Tinder

casados, deslizai para a esquerda. porque na vida acontece tudo muito rápido. passaram treze anos desde aquele encontro no hospital. treze anos em que perdi a noção se fui a mulher ou a amante. treze anos a pensar numa coisa e na outra. e fui ambas com muita convicção. mas nunca ao mesmo tempo. fui a melhor amante que ele alguma vez teve. tive a disponibilidade de esperar. de viver nos intervalos da vida dele. de planear as fisgas por onde nos escapávamos. e nisso era exímia. uma meia-hora conquistada ao quotidiano sabia a eternidade. até fui sua paciente. ia à consulta para o ter. e nunca me queixei. mas também fui sua mulher. treze anos é muito tempo para viver em aventura. surge um momento em que nos descuidamos e deixamos passar mais de meia-hora. e o quotidiano entra-nos pela eternidade a dentro. soube-me bem esse apoucamento do infinito. confesso que até vesti a roupa de esposa. saíamos para jantar com o Ricardo e com o Humberto. íamos ao restaurante. visitávamos a casa deles. eles vinham jantar a nossa casa. conversávamos muito. o Humberto tinha sido colega da Catarina e do Romeu e perguntava-lhe por eles. o mundo é uma bolota. e o Zé respondia sem hesitação. nunca soube se alguma vez comentou alguma coisa à filha e ao genro. apenas não fui a casa dele. mas que interessava isso. preferia não pensar. e ele dizia-me que já não estava com a Joaninha. era em casa que tinha a roupa. apenas isso. até ficava à noite comigo. que melhor prova de ser mulher e não amante. passava a noite comigo. não ao fim de semana. não como uma escapada ao Alentejo. disfarçada de ida a um congresso. passava a noite comigo. para se levantar de manhã para o trabalho. tomávamos banho. ele fazia a barba. os amantes não partilham os asseios. eu era a mulher. a Joaninha passava a noite sozinha. se calhar ia jantar com amigas. nunca nos cruzámos. pensar nisso bastava-me para ter a certeza que ele era meu. já não pelo fogo da conquista. mas pela força da circunstância. e depois ele desaparecia. eu passava alguns dias à espera. e ele sem nada dizer. tinha então de despir as roupas de mulher. mas em vez de me entregar ao sofrimento ia à consulta. e regressava como amante. andámos nisto treze anos. e não penses que uns momentos foram melhores do que outros. não penses que com o tempo deixei de acreditar. que me entregava com menos certeza. que era menos mulher quando tinha que ser mulher. que era menos amante quando tinha que ser amante. não era assim. nem isso pode ele me apontar. e passado treze anos diz-me que não pode deixar a Joaninha. isso sim foi demais. não podia ser apenas amante. habituei-me a também me imaginar esposa. a vida é rápida. sabes. ainda o fui encontrando uma ou duas vezes nestes últimos seis meses. mas já não é a mesma coisa. sabes. agora o que fica é uma espuma do vai e vem. não é a mesma coisa. acabou. quero viver a minha vida. a vida passa muito depressa. mas estou aqui apenas a falar de mim. desculpa. já te devo estar a aborrecer. mas tinha que te dizer isto. queria que me conhecesses. que soubesses porque é que estou aqui. e tu. fala-me de ti.

domingo, 11 de novembro de 2018

Um homem mais velho

Um homem mais velho, oito anos mais velho, mas agora não me parece fazer muita diferença, não quando o vi da última vez, há quase vinte anos atrás, no funeral do Gonçalo, despediram-se, é verdade, com garantias dadas de se encontrarem de novo, mas nem de um lado, nem do outro, acabou por haver um movimento de aproximação, não é verdade, a Joaninha ligou uma ou duas vezes, mas sempre renovei, e não cumpri, a promessa de os visitar, nem sequer os miúdos, ou talvez por causa dos miúdos, o fim da infância, ainda antes da intervenção da adolescência, dá-lhes um brilho de maçãs polidas numa cesta de vime, bonitas, muito apresentáveis, com uma vivacidade saudável na pele, golden, dizem, e a mim, nessa altura, aborrecia-me essa compostura, confesso que nunca me agradou, também já não os via há algum tempo, nem sequer privei com eles no ano que estive separada do Gonçalo, antes do acidente, e eles também não foram ao funeral, parece que a Catarina queria ir, disse a Joaninha, logo a mais pequena, teria uns oito anos, não o Afonso, mas não, não vieram, ainda bem, pensei na altura, o Gonçalo gostava deles, as visitas que lhes fazíamos eram quase sempre à volta das crianças, um miúdo com os miúdos, comentávamos, nem que fosse para dizer alguma coisa, mas sim, era assim, é assim a empatia, mas eu não, não sentia-a essa necessidade de aproximação, deixava ao Gonçalo toda a dedicação, acabava por me refugiar na conversa com a Joaninha, que o Zé era mais reservado, simpático sempre, mas com aquela distância dos psiquiatras, como enfermeira fui reconhecendo essa marca noutros psiquiatras, um distanciamento em relação às coisas, como se tivessem sido calejados por um segundo sentido das circunstâncias, como quem pega em panelas quentes sem um relampejo, e as retira do fogão para cima da mesa como se nada fosse, como se não houvesse fogo, sim parecia-me frio o Zé, por isso, fiquei contente que não viessem, não saberia o que lhes dizer, sem o Gonçalo para ocupar esse lugar, especialmente à Catarina, que tinha um olhar que trespassava, mesmo quando perguntava a coisa mais insignificante, porquê, dizia, e a mim parecia-me que sabia a resposta, que me estava a testar, por isso, nas visitas a casa deles, era com a Joaninha que conversava, mas já não sei do quê, e o Zé estava por ali, falava às vezes com o Gonçalo, e nunca me ocorreu nada, nem o mais leve fervor, e parecia-me tão mais velho, oito anos são muitos anos, a idade da Catarina, medimos as pessoas pelos filhos que têm, como travessas na passadeira da vida, o Afonso teria uns dez anos, e agora, vinte anos depois foi o Zé que me reconheceu, chamou-me no hospital, Ivone, és a Ivone, não és, e depois ficou calado, como se me coubesse a mim dizer algo, senti-me então como se eu fosse uma panela ao lume, como se tivesse estado toda a vida em cima de uma chama e nunca me tivesse apercebido disso, talvez fosse a altura de um homem pegar em mim e me colocar em cima da mesa, sem palavras, sem demonstrar emoção, e então percebi que oito anos não são muitos anos.

domingo, 4 de novembro de 2018

Amizade

O engraçado de caminhar à chuva, afastados pelo limite das varetas, que dão pequenos toques, libertando chispas de excitação pelo aflorar das pontas, ainda que por debaixo dos guarda-chuvas os corpos se mantenham à distância das abas, como dois andores alinhados numa procissão, que vão ameaçando-se abalroar pelo peso do fervor, num arrebatamento que por vezes quase provoca um acidente, não fosse pela elasticidade dos tecidos que amparam a emoção, como o cruzar de espadas, e a faz retroceder de volta ao chão. É engraçado caminhar assim à chuva, pelo vazio da rua, que nos dá a liberdade de versejar de um lado ao outro, carambolando nas paredes, dado que a distância ao destino é curta, e queremos ter todo o tempo do mundo, e por isso obrigamos o progresso a ser exíguo. E paramos, paramos várias vezes, rodamo-nos nos guarda-chuvas, encarando-nos com os punhos, prontos para uma saudação de camaradagem, e ficamos assim um bom bocado só para rir, só para concordar, olhos nos olhos, atirando o bafo quente, vaporoso, um ao outro, que cheira a ternura húmida, vagueando debaixo dos chapéus, como que uma chuva ainda mais fininha que teima em não cair ao chão, prolongando o momento, até que rodamos de novo, para dar um passo em frente, o primeiro desde há um pouco, e recomeçarmos a rimar para os lados, sentindo a distância entre os corpos como uma intimidade sagrada protegida pelo acolhimento dos guarda-chuvas. É engraçado caminhar assim à noite, com as luzes dos candeeiros a deixar auréolas no chão, uma luz molhada, um pouco escorregadia debaixo dos pés, que nos atira ainda mais para os lados, como se não andássemos, patinássemos, e para isso fosse fundamental esse empurrão lateral, como um barco bolinando, inclinando-se para o lado, atiçando sensualmente o vento. E à altura das faces chega a luz filtrada pelas abas, a minha aos quadrados, a outra uniformemente preta, mas ambas ponteadas, outros salpicos entre salpicos, onde passam pequenas bolas de água a rolar, e em que nos calamos um pouco, para nos embebecermos pela textura do tecido, quão perfeita, e agradecemos em silêncio a esses tecelões hipotéticos, agora incorporados nalguma máquina num país distante, que não descansa, que não transvia, que está neste momento a tecer, para pontilhar os olhos de milhões de seres, como eu e tu. E falamos, é claro, de homens. Como são engraçados os homens, como são gigantes quando os vemos ao longe, com o seu tronco ereto, cabeça erguida, membros baloiçantes, olhos retos ao planeta, e como vão encolhendo quando se aproximam e a intimidade os faz pequenos, seres insensíveis que nos corroem por dentro e depois, quando menos se espera, choram, e ficamos assim, como marinheiros que se fizeram ao mar na promessa de uma nova terra e somos apanhados pela tempestade, bem no meio do oceano, em terra de ninguém, e vamos ganhar força às nossa incertezas, rimos. Dizes tu, Ricardo, e digo eu, se pudéssemos passar sem eles, iríamos diretos para casa de vento em popa, como um homem e uma mulher.