terça-feira, 13 de junho de 2017

The Weeping Song – Zé

Se o que inicialmente o paralisou foi a surpresa de sentir a água pastosa a escorrer por entre as pernas, agora também o incomoda o cheiro. Quando já se julgava em segurança, ter deixado o Ernesto para trás, recuperado a cabeça da descarga de pensamentos. Quando finalmente voltava a sentir as pernas no chão, a barriga prega-lhe esta partida. Uma borrasca sem aviso que o atira por uma porta aberta para um esconso vão de escadas de madeira castanha, entre o amarelado e o desmaiado, carcomida por gerações de larvas, famílias inteiras, que roem a infindável herança, não só a escada, mas o prédio todo, onde cada qual parte à aventura, traçando sulcos, rásrás, rásrás. Mas, àquela hora, o que se ouve é uma criança. Chora no andar acima, enquanto um cheiro almiscarado lhe entra pelas narinas. Uma mistura de bicho e madeira, em partes que não consegue discernir. Destes segredos são feitos os perfumes. Pungentes, como as tempestades que ensopam até aos ossos. Instalam-se e desencadeiam um rumor que rompe nas extremidades. A criança não se cala. Já chega, diz uma voz de homem, quando é que o puto para. Estou farta, responde uma mulher. Uma porta bate com força. O prédio estremece. Deve ser isso que explica as pequenas perturbações encontradas nos sulcos. Bichos cegos não são dados a sobressaltos. Talvez não tenham assim uma vida tão sossegada. Tentam, mas o mundo não é só feito de boas intenções. Não é só o prédio, são as pessoas que o fizeram, que acham que também têm direito. Ou, pensáveis, bichos que o prédio tinha sido feito para vós? Para a vossa delícia? Afonso faz tenção de se ir embora, mas sente as pernas paralisadas por uma cola peganhosa. Delícias. Larvas transparentes, sem vitamina D, assomam cá fora apenas pela calada da noite. E mesmo assim muito a medo. Quase por engano. Uma ida fugidia a uma sessão de esclarecimento. Apanhados à porta. Trazidos para dentro. Passei por aqui, mas já estou de saída. A vida não é só delícias, diz o conferencista. Usa uma qualquer analogia. Forte, como uma boa analogia. Inútil, como uma boa analogia. Analogias são como as cerejas, pensa Afonso. Cada uma tão convincente que nos faz esquecer a anterior. Esta é que é essa. Delícias. Afinal estas minúsculas lagartas também têm os seus alvoroços. Espasmos. Pasmo, pai, neste esconso de escada. Cheguei aqui num transe, não consigo recordar bem porquê. Tremem-me os dedos. Doem-me os ossos. Suores. Vai passar. Daqui a pouco já estou em casa. Só mais um pouco. É como se já tivesse aí. Não te preocupes. Já percebi. Delícias. O choro redobra de intensidade. A porta abre-se e o peso de um corpo pesado solta uma chuva de pó sobre Afonso. Foda-se, cheira a merda, anuncia a voz do homem sobre a sua cabeça, enquanto dedilha os degraus, a um a um, fechando a porta do prédio com estrondo. Passos precipitados trazem a mulher à entrada do apartamento. Com uma praga que dilata o edifício, atira, não penses que voltas, cabrão. Bate a porta com força para se proteger da reverberação da sua imprecação.

Sem comentários:

Enviar um comentário