sábado, 3 de junho de 2017

Poor Little Alfie – Amália, Madalena e Sílvia

Mais do que a cara mergulhada no vomitado, onde os restos de uma encenação de almoço navegam à vista num banho de gin que foi fazer a apneia ao estômago, o que realmente incomoda é o cheiro. Um cheiro acre, que recorda a existência das entranhas e, finalmente, de um ser vivo formado à volta do tubo digestivo. Como se o aparelho respiratório fosse a consciência, e um esbirro invejoso, do outro, o único que atravessa o corpo de lés a lés. Por isso mete duas vezes dó Romeu no chão. Mete dó porque tolhe ver um homem emborcado na manifestação externa das suas vísceras. Dó, porque não consegue levantar o rosto, entontecido que se encontra pelos vapores que não retornou. Catarina ainda o tenta erguer, mas Romeu faz-se pesado e começa a gatinhar combalido, numa passada cega de animal possante. Bamboleia o corpo com o nariz roçando o chão. Pelos lábios semiabertos passa ar em ambos os sentidos, trazendo dos pulmões o bafo que vai soltando num rasto que marca o caminho. Catarina passa-lhe uma toalha molhada pela cara. Romeu interrompe a caminhada, surpreendido. Os lábios alargam e sente por dentro o ardor da água que apaga o fogo. Começa a sugar levemente a toalha, fazendo com que pequenos jatos de líquido passem por entre os dentes, apaziguando a língua. Levanta uns olhos vagos e vê Catarina, desfocada, balançando-se de um lado para o outro. Faz um esforço para conciliar a vista com o cérebro, e vê a cabeça de Catarina desdobrar-se em duas, agarrada pelo tronco. A visão provoca-lhe náuseas e fecha os olhos. Na escuridão, o cérebro dá um mortal, desequilibrando Romeu que aterra a cabeça no chão. Duas mãos seguram-no pelos ombros e sustêm o que ainda pudesse haver de queda. Aproveita então para rodar o pescoço, repousando sobre a face direita. O solavanco deixou-lhe os braços ao longo do corpo. Mas as pernas não se dão por rendidas e, mais por descontrolo que por desobediência, insistem em avançar. A força do desgoverno desencadeia um ligeiro arrasto que, se consegue deslocar as mãos alguns milímetros lá atrás, cá à frente apenas serve para repuxar o lábio inferior, expondo a gengiva com despudor. Encostas de carne luzidia sob um castelo de esmalte que se abre para deixar passar uma corrente de ar que resvala pelo carreiro de baba até ao chão. Fica assim, prostrado, como um animal a repousar sobre o pasto. Quando as pontas dos dedos de Catarina lhe tocam a face, reabre o olho esquerdo e procura fixar um mundo sem profundidade onde três rostos sorridentes o observam. Lado a lado, trocam impressões sem deixarem de o fitar. Olhos dilatados, em simpatia com os lábios que descobrem dentes alinhados. Lábios que ondulam com doçura, nunca encobrindo os dentes, por onde as línguas enunciam danças do ventre. Bailam à vez, e em sintonia, reafirmando a mesma frase musical. As cabeças acenam, de baixo para cima, reproduzindo sins. Vão-lhe assim chegando melodiosas ondas sonoras que procura captar com ligeiros movimentos da cabeça. O olho de Romeu dilata quando reconhece Amália, Madalena e Sílvia.

Sem comentários:

Enviar um comentário